Hyunjeong Kim vence o primeiro VELUX International Design Award com um conceito inovador para cortinas de janelas de sótão

Dois vencedores e cinco menções honrosas foram apresentados e homenageados na cerimónia dos VELUX International Design Awards na Design Academy Eindhoven na Holanda a 22 de maio de 2014. Hyunjeong Kim da Universidade das Artes de Berlim na Alemanha ganhou o primeiro prémio para o seu projeto, "Ferro Fluid Scales". O segundo prémio foi para Iris van den Brink e Anneloes de Koff da Universidade de Tecnologia em Delft, na Holanda, para o seu projeto designado por "The Swipe".

O júri atraibuiu o prémio principal de 6000 euros a Hyunjeong Kim pela sua "solução completa e inovadora para janelas de sótão", acrescentando que o seu  Ferro Fluid Scales é um projeto que mostra um elevado nível de inovação e que tem visão. Tecnicamente, é também uma solução muito inteligente e sofisticada que mostra uma nova forma de pensar em coberturas de janelas de sótão."

Atração magnética

Hyunjeong Kim da Universidade das Artes de Berlim, na Alemanha, venceu o primeiro prémio no primeiro VELUX International Design Award pelo seu inovador design de cortina, intitulado Ferro Fluid Scales.

"Estou muito entusiasmada e feliz por vencer o VELUX International Design Award, refere Hyunjeong Kim - os prémios VELUX são muito famosos e importantes. Estou orgulhosa por ter vencido e espero que seja excelente para a minha carreira."

A inspiração para Ferro Fluid Scales veio do líquido ferrofluido, que se assemelha a água preta no seu estado natural mas que se torna condensado quando colocado entre campos magnéticos. Ferro Fluid Scales integra este conhecimento científico num design original contendo o líquido opaco e um líquido em suspensão clara em cada lâmina de vidro transparente e permitindo que o utilizandor aumente ou diminua facilmente a resistência do campo magnético – controlando dessa forma a quantidade de luz que pode penetrar pela cortina.

Kim explica em pormenor o seu processo de desenvolvimento: "Depois de pesquisar muitos materiais para materializar a minha ideia, descobri finalmente o ferrofluido. O aspeto mais importante do design do Ferro Fluid Scales é que a cortina funciona não através do movimento físico, mas antes através das alterações orgânicas do ferrofluido no interior dos painéis de vidro finos, ou escamas. Adicionei uma unidade eletromagnética que torna fácil controlar a energia para aumentar ou diminuir a quantidade de luz do sol recebida."

Sete projetos significativos

O segundo prémio, de 2500 euros, foi para Iris van den Brink e Anneloes de Koff da Universidade de Tecnologia em Delft, na Holanda. Descrevendo o seu projeto de sistema de sombreado gradual, The Swipe, Iris van den Brink e Anneloes de Koff explicam: "Para além de ter um efeito belo e estético, o nosso design é viável devido à sua simplicidade. Todas as diferentes parte de The Swipe são elementos estandardizados, sendo por esse motivo que os custos de produção podem ser mantidos baixos. Sentimos que isso está em sintonia com a visão da VELUX de tornar um excelente design acessível a todos."

O júri considerou que o projeto era "uma solução muito simples mas forte e inovadora", acrescentando que "a solução interior/exterior mostra uma forma interessante de manipular a luz."

Cinco equipas também receberam menções honrosas pelos seus projetos. Na cerimónia de entrega dos prémios, os sete finalistas – de escolas de design na Alemanha, Holanda, Espanha, Polónia e Hungria – apresentaram protótipos dos seus designs.

O membro do júri Peter Zec, que criou o prestigiado Red Dot Design Award, referiu, "Entre os cinco projetos que foram nomeados para uma menção honrosa, haviam muitas soluções interessantes. Vimos a utilização de nova e entusiasmante tecnologia – por exemplo, utilizando a luz do sol como fonte de energia durante a noite, bem como soluções sustentáveis e técnicas com muita inspiração na natureza."

Selecionar o vencedor

Definir um favorito foi uma tarefa difícil para o júri, que era composto pelo alemão Peter Zec, a dupla de design italo-dinamarquesa GamFratesi e a designer e arquiteta holandesa Petra Blaisse. Com tantas equipas talentosas e projetos excecionais, os jurados encontraram-se muitas vezes em campos opostos acerca da escolha vencedora.

O membro do júri Petra Blaisse, conhecida por desafiar continuamente o status quo com os seus designs, diz que todos os finalistas são vencedores, uma vez que todos conseguiram lançar uma nova luz sobre as vastas possibilidades no campo do design de cortinas – e por tornarem o processo de seleção desafiador para o júri.

"No projeto vencedor, vimos uma combinação de inteligência tecnológica, capacidade inventiva e eficácia. Eficácia compreendida em termos de funcionalidade – a solução não força o design decorativo sobre o utilizador" refere Petra Blaisse, ao explicar a solução vencedora.

Um novo prémio de design motiva a inovação

O VELUX International Design Award foi estabelecido para oferecer aos alunos de design aspirantes de toda a Europa a oportunidade de alargar as fronteiras do que é possível atingir no cruzamento do design e da tecnologia, para cortinas para janelas de sótão. A VELUX convidou alunos a entregarem as suas ideias sobre o design e composição futuros das cortinas de janelas de sótão para se habilitarem a vencer o VELUX International Design Award. Participantes de mais de 20 países europeus entregaram os seus trabalhos, que foram classificados com base nos seguintes critérios: "inovação", "melhor qualidade de vida", "sustentabilidade" e "potencial de comercialização".

Kent Holm, Diretor Global dos Produtos de Decoração e Proteção Solar do Grupo VELUX, ficou impressionado com a quantidade de projetos inventivos produzidos pelas equipas participantes – particularmente os designs destacados na cerimónia.

"Quando tomámos a decisão de criar o concurso, não fazíamos ideia de que iríamos estar aqui hoje com um número tão grande de projetos entusiasmantes", referiu Holm na cerimónia. "É verdadeiramente admirável verificar quantas destas equipas de design optaram por soluções altamente complexas e estamos verdadeiramente entusiasmados pelo elevado nível de dedicação e qualidade de fabrico que foi demonstrado ao longo deste concurso."

Holm espera que os alunos tenham beneficiado do processo – da inspiração à conceptualização e do design ao protótipo. "Como uma fonte de luz do sol, ar fresco e uma vista atraente, a janela de sótão enriquece as nossas vidas com luz e cria melhores ambientes para a vida, trabalho e diversão. Tenho a certeza de que todos os participantes obtiveram uma perceção valiosa sobre as janelas de sótão e nós sentimo-nos decididamente inspirados por todos os conceitos criativos que os alunos imaginaram."